Lua Cheia em Balança, 23 de Março, Eclipse Lunar

5a3d865b4cbea091d22094cba6429262

 

Lua Cheia em Balança, 23 de Março, 12.00 h, Eclipse lunar

A Lua cheia é um momento que resulta do normal desenrolar de um ciclo iniciado na Lua nova anterior. No início da lunação, a consciência simbolizada pelo Sol, implanta um objectivo no inconsciente, simbolizado pela Lua; este terá então oportunidade de germinar, ganhar raízes e crescer até se tornar visível. No instante da Lua cheia o objectivo já tomou forma, já tem contornos, já o podemos observar e compreender do que se trata.

Seduzida pelos símbolos Sabianos, não abdico de os usar e são o meu ponto de partida. Relembro que tudo isto se passa no campo da abstracção simbólica; mas se permitirmos e nos abrirmos a estes processos, se os aprendermos, podemos ver os mesmos desenvolvimentos na nossa experiência, à medida da nossa realidade e com os nossos próprios objectivos dimensionados para se mostrarem viáveis.

Sigamos em frente! O símbolo da última Lua nova foi: Um mestre instruindo os seus discípulos.

Os símbolos para esta Lua cheia são os seguintes:

Lua: Em torno de uma fogueira um grupo de jovens sentam-se em comunhão espiritual.

Sol: Dois amantes passeiam por um caminho isolado

Neste ciclo da Lua há uma proposta de aprendizagem, há uma transmissão de conhecimento e sabedoria que desemboca em duas cenas onde pessoas se relacionam entre si. Relações humanas parecem ser o foco da aprendizagem; é curioso ser uma Lua cheia em Balança, com eclipse lunar que está relacionado também com aprendizagens importantes a fazer nos próximos meses. Será portanto fundamental, darmos a melhor atenção a esta área das nossas vidas, cada um de nós com as suas próprias circunstâncias e  portanto com aprendizagens diferentes mas em que o toque de fundo é o procura de equilíbrio entre nós e os outros.

O Sol, a consciência, aponta os dois amantes, que serão à partida um homem e uma mulher, como símbolos de energias opostas mas que se complementam e essa complementaridade lembra a unidade, o todo, é o círculo do yin e yang que só existe em total equilíbrio. Mercúrio está conjunto ao Sol, com apenas alguns segundos de desfasamento; portanto temos uma fusão íntima entre a consciência e a mente, mente esta que está relacionada com as aprendizagens que fazemos na relação com o meio ambiente. Isto resulta de Mercúrio ser regente de Gémeos, onde acontece a aprendizagem da realidade dual em que vivemos. Tudo o que existe na terceira dimensão tem o seu par complementar, o dentro e o fora, o muito e o pouco, o trabalho e o descanso, o eu e os outros. Para viver em harmonia sustentável nesta realidade é precisar aprender a equilibrar constantemente “pratos de balanças opostos”, não há outra opção, porque se tudo muda permanentemente, os equilíbrios conseguidos, a dada altura vão-se tornar desequilíbrios.

Aprendendo o que foi sugerido, o que sentimos (Lua) é o que podemos adivinhar ao imaginar a cena romântica do grupo reunido à volta da fogueira; todos diferentes, mas todos juntos, participando de uma intenção comum, onde cada um tem o seu papel, onde se está por prazer, onde é possível cada um sentir a importância de fazer parte de um todo e a ele levar o que tem para partilhar.

O ciclo vai continuar, e passando para os aspectos astrológicos fica claro que com Sol e Mercúrio em Carneiro, o foco nas nossas próprias vontades e objectivos é intenso; mas claro, não pode esquecer quais são as vontades e objectivos dos outros. Com equilíbrio neste sector temos pernas para andar com facilidade, já que Marte faz sextil à Lua e trígono à conjunção do Sol e de Mercúrio. Marte em Sagitário impele-nos a agir de acordo com a nossa verdade, com o que acreditamos ser correcto, temos energia e entusiasmo. A quadratura a Neptuno pede que atitudes “bélicas” e egocêntricas sejam ignoradas, que se tomem acções para concretizar ideais colectivos, acções criativas e inspiradas e sobretudo que tenham como objectivo um bem comum e maior. Vénus em Peixes defende os mesmos valores, os mesmo ideais mas há uma dificuldade em valorizar igualmente a realidade concreta; é a quadratura a Saturno e a oposição a Júpiter em Virgem que chamam a atenção para este desafio. Que fazer? Pois encontrar equilíbrios, já que é o tema actual. Não só estamos num ciclo lunar que foi proposto esta lição, como o eclipse lunar vai manter este quadro durante uns meses. Não podemos viver indefinidamente à volta de uma fogueira por mais fantástica que seja a experiência, certo? Pede-se equilíbrio em tudo, em como nos relacionamos com os outros mas como nos relacionamos também com o trabalho, com os momentos de descanso, com a saúde, com o dia-a-dia, até connosco próprios! Sonhar com ideias sim, colocar as mãos na massa também sim, mesmo que haja momentos em que menos apetece, em que distracções nos dispersem. Vénus faz ainda um sextil a Plutão, sinalizando que há o poder de transformação de valores. Coisas a que não demos importância no passado podem mostrar-se importantes agora, e vice-versa outras coisas a que dávamos tanto valor percebemos que não se sintonizam com quem somos neste momento. E seguramente que estas transformações terão importância no alcançar de uma vida mais equilibrada e justa.

Fica aqui como registo uma escolha completamente contrária ao que o Universo propõe, com resultados tragicamente tristes: os atentados de Bruxelas! Curiosamente agiram em nome de ideais, mas não ideais universais; agiram em nome de deturpações fanáticas religiosas; agiram por ignorância e causaram destruição, trauma, medo. Não lhes foi permitido aprender o que é a paz, o que é viver em harmonia uns com os outros. Marte e Saturno estão em Sagitário, e Sagitário pode ser mal aproveitado e ser manifestado como fundamentalismo religioso. Se uns agem por ignorância e intolerância outros têm o dever de agir com sinal contrário …. somos nós, eu e quem está a ler. Mais do que um privilégio é uma tremenda duma responsabilidade!!! Mas nós não estamos sozinhos! E nem precisamos sair pelo mundo fora fazendo remendos, basta agirmos no nosso próprio universo pessoal. Isto contagia-se, e aos poucos veremos a mudança no mundo que operarmos em nós 🙂

 

 

 

Consultas e análises aqui

 

Share Button