Céu astrológico para Quarta-feira 25 de Setembro

Símbolo Sabiano do dia (nascer do Sol às 7.31 h): A luz da sexta raça transmutada para a sétima

Helena Blavatsky  falava de uma sexta raça que surgirá num futuro longínquo, depois da qual ainda haverá lugar para a sétima. Será uma humanidade infinitamente mais evoluída. De evolução parece portanto, que se trata este dia.

A Lua em Leão faz sextil a Mercúrio e a Vénus, trígono a Júpiter. Vénus em Balança faz quadratura a Saturno em Capricórnio e ao nodo norte em Caranguejo (Saturno faz oposição exacta ao nodo norte). Com estes aspectos é inequívoco que “a transmutação para a sétima raça” está relacionada com a oposição entre Saturno (no nodo sul) e o nodo norte, sendo que a evolução aponta para Caranguejo. Portanto o que sentimos em relação à imagem e responsabilidades públicas (com alguma probabilidade são as actividades profissionais as que estão em evidência) versus vida e responsabilidades privadas vai revelar até que ponto estamos a alinhar com aquilo que é a proposta de futuro (Caranguejo). Pode ser necessário ajustar os nossos valores relativamente à forma como nos relacionamos com os outros, à importância que damos à paz, ao equilíbrio e harmonia, aos padrões de beleza e elegância pelos quais nos guiamos. A Lua em Leão, claro que quer mostrar-se brilhante, mas o que consideramos “brilhante” é a questão! O brilho virá sempre da autenticidade, da alegria, da criatividade, da generosidade e da vibração do amor que emitimos quando somos e fazemos exactamente aquilo para que estamos talhados, por mais simples que seja! Querermos encaixar em papeis para os quais não estamos “desenhados” é ineficaz, murchamos em vez de florescermos.

Mas verdade seja dita, habitualmente não sabemos para que papeis estamos exactamente desenhados. Até perto dos trinta anos a nossa vida é o natural desenrolar de vidas anteriores, de padrões que herdamos e vão ser alimentados pela família e sociedade onde nascemos. Isto corresponde ao primeiro regresso de Saturno, depois do qual é necessário começar a fazer escolhas que permitam virmos a desempenhar o tal papel para que estamos desenhados. Se quisermos resumir este papel a duas área do mapa podemos apontar o nodo norte e o MC (meio do céu). São energias que foram pouco desenvolvidas no passado, são desconhecidas, podem causar muito desconforto, e por isso evitamos. Mas o que tem que ser tem muita força, e nem que seja “pelos cabelos” a Vida encontra forma de nos conduzir ao topo da nossa montanha. As condições duras que encontramos na nossa vida, estão em grande medida ligadas à nossa resistência a este processo. Adoptei um lema: “Para teres o que queres, gosta daquilo que tens”. Hummm mas isto pode ser um desafio daqueles em que precisamos de muita estabilidade emocional para não ficarmos “à beira de um ataque de nervos”.

Imagem veio daqui

 

Share Button