Lua Nova de Escorpião, 11 de Novembro

SS 20 escorpião

 

Lua nova em Escorpião, 11 de Novembro, 17.47 h

Símbolo Sabiano desta Lua nova:

Uma mulher afasta duas cortinas escuras que fecham a entrada  de um Caminho Sagrado

Pista: A revelação à consciência humana do que está para além do conhecimento da realidade dual.

A fusão do Sol com a Lua marca mais um ciclo a iniciar, mais uma oportunidade de “semear” ideias e intenções se quisermos alinhar com as propostas celestes. Desta vez o terreno é profundo, e o resultado final pode ser um total renascimento, literalmente a abertura de cortinas escuras que impossibilitam o acesso ao nosso próprio caminho, aquele que está ligado á essência mais pura de quem somos, e que por isso é sempre sagrado! Escorpião relaciona-se com o inconsciente mais enraizado na nossa essência, de onde brotam as nossas verdadeiras e mais autênticas motivações. Um dos regentes de Escorpião é Plutão, e Plutão nos mapas individuais é significador da alma (astrologia evolutiva). É a partir do que está registado na alma que a nossa realidade se estrutura e concretiza. Consequentemente, se soubermos escolher boas sementes teremos boas colheitas, capazes de minimizar as consequências de ervas daninhas deixadas sem controlo! É à medida que tomamos consciência do Universo em que vivemos, das possibilidades que nos oferece, que podemos escolher as melhores castas, as melhores intenções, as que nos servem e a tudo o mais que nos rodeia. Porque somos “apenas” uma parte do Todo, o que é semeado, deve levar em conta esse Todo!

Uma palavra que se associa a Escorpião e a Plutão é poder! Poder mais não é do que sermos capazes de fazer o que queremos, e até um certo nível quando queremos. Impossível não associar a palavra a poder económico ou financeiro; esta associação, não sendo inteiramente ilusória, é ainda assim, apenas verdadeira na realidade dualista da terceira dimensão, aquela da qual mais temos consciência. Mas esse não é o poder verdadeiro! O poder verdadeiro está dentro de cada um de nós, apenas esquecidos de que o temos, e que o podemos resgatar a qualquer instante. Escondido por cortinas escuras, pesadas e empoeiradas, feitas das partes de nós que não queremos enfrentar, porque acreditamos serem feias e más, inadequadas e desonrosas, só de pensar no esforço que precisamos fazer para as abrir, e na nuvem de pó que vamos levantar, sentimos medo! Mas fatalmente chega o dia em que estamos fartos de escuridão, fartos até à medula, e aí queremos saber e tomar consciência do que está para lá dessa janela. Quando o discípulo está pronto, o mestre aparece. O mestre aparece e relembra o que já sabemos, relembra que só nós podemos dar início a todas as transformações necessárias. Não há nada feio e mau e inadequado e desonroso, há apenas inconsciência que precisa ser iluminada, esclarecida. Inconsciência feita de medos, de desconhecimento, de moralidades impostas. Com tudo isto, mas com coragem ainda maior, quando sentimos que o exterior se abrirá luminoso para quem se aventurar, e reclamar o poder que sabe existir e é disponível para todos, abrimos mesmo as cortinas e começamos a trilhar o caminho que é só Nosso. É porque o queremos percorrer, que aqui estamos!

Quanto a outros aspectos astrológicos em aplicação que rodeiam esta Lua nova, aponto a conjunção do Sol a Mercúrio, o sextil de Mercúrio a Júpiter e o sextil de Vénus a Saturno. Mercúrio em Escorpião apoia incondicionalmente as intenções do Sol, com processos mentais interiorizados, que investigam e procuram como abrir as cortinas, o que se adequa aos nossos propósitos, como manter as condições propícias ao desenvolvimento dos objectivos, como comunicar, o que aprender. Ligado a Júpiter em Virgem por um sextil, as ideias, os pensamentos, os conceitos que apoiam o Sol, igualmente contribuem para o aperfeiçoamento da realidade, e simultaneamente preparam outras potenciais realidades a atingir durante a presente lunação, ou até mesmo para além dela. Vénus em Balança, propicia harmonia na forma como nos relacionamos com os outros, connosco mesmos também, componente fundamental na criação de novas formas de vida. Mais fundamental se torna, quando o sextil a Saturno em Sagitário, incorpora na estruturação de novas filosofias de viver esta responsabilidade de promover relações humanas íntegras e correctas.

O poder de moldarmos a vida que sonhamos é nosso. O poder de assumirmos novos comportamentos, crenças ou modos de vida está ao nosso alcance. Há muito para ultrapassar, muitas transformações, muitas metamorfoses são necessárias. Paradoxalmente é preciso coragem para rejeitar a escuridão e procurar o lado luminoso da existência. Mas uma Lua nova em Escorpião é uma passadeira vermelha desenrolada bem em frente do nossos pés! Comece com o pé direito ou com o esquerdo, mas comece! Dizia Fernando Pessoa, “primeiro estranha-se, depois entranha-se”!

 

 

Share Button

Lua Nova de Virgem, Eclipse solar, 13 de Setembro

Eclipse

 

Lua Nova em Virgem, eclipse solar, 13 de Setembro, 7.40 h

Um eclipse solar acontece quando a Lua se coloca entre o Sol e a Terra, ocultando parcial ou totalmente a luz do sol. Em astrologia, há uma simbologia associada, como não podia deixar de ser. No passado os eclipses eram temidos, havendo a crença generalizada que profetizavam catástrofes. Actualmente, e graças ao trabalho de estudo e observação durante vários anos, feito por muitos astrólogos, sabe-se que aos eclipses estão associadas mudanças necessárias à natural evolução de cada indivíduo, e que naturalmente acabarão por causar impacto à humanidade como um todo. Num mapa natal individual, a área de vida onde o eclipse está assinalado, mostra onde as mudanças decorrerão.

Se por um lado podemos esperar alterações significativas em determinadas áreas de vida, por outro, os eclipses solares indicam o tipo de energia que deveremos expressar, como contributo para construirmos uma humanidade mais equilibrada, e por isso mais feliz, mais abundante e mais criativa. E isso começa em nós mesmos.

Em Virgem, é-nos pedido que usemos da nossa capacidade de análise, de discernimento e de estudo, de trabalho metódico, de remediar o que está mal, de ajuda aos outros, de cura. Oposto à Lua Nova está Quíron em Peixes. Este aspecto indica que o que é proposto em Virgem, deverá ser feito mas com consciência de que somos seres com dimensões para lá das físicas. Quíron relaciona-se com uma ferida emocional profunda gravada no nosso inconsciente. Em Peixes, essa ferida refere-se à ilusão da separação que percepcionamos entre o eu e o outro, entre a Terra e o Céu; na Terra estão as dores, os trabalhos, as provações, a luta pela sobrevivência. No Céu as recompensas. Curar esta ferida é começar por perceber que, não estamos nunca separados de nada nem de ninguém, somos parte de uma vasta consciência, que se manifesta em parte no mundo físico. Na Terra podemos construir o Céu. Podemos aprender como o fazer e com a dedicação de Virgem colocar as mãos na massa e fazê-lo.

Curar remete-nos para a ideia da necessidade de corrigir algo que está errado. Plutão que está em Capricórnio relaciona-se igualmente com esta ideia, porque a função de Plutão é transformar o que deixou de ser funcional, e Capricórnio simboliza todas as estruturas que servem de suporte à nossa existência na Terra. Plutão está em trígono com Júpiter em Virgem, sugerindo que crescer e caminhar para novas formas de vida, mais verdadeiras e éticas, se faz com trabalho e dedicação. Mesmo a mais humilde das tarefas pode ter o efeito de restruturar o que está mal, incorrecto, ultrapassado. A oposição de Júpiter a Neptuno em Peixes, mais uma vez relembra a necessidade de equilibrar a realidade terrena com a realidade do espírito, do sonho, das pausas inspiradoras e retemperadoras da vitalidade, até porque só desta forma a vida decorre saudavelmente, outro tema caro a Virgem!

O símbolo Sabiano do grau onde acontece a Lua Nova, que dá simultaneamente lugar ao eclipse, é:

Uma equipa de basquetebol feminina

O símbolo sugere-me a necessidade de nos sentirmos como parte de uma equipa, uma grande equipa humana em que precisamos cooperar para ganhar. A equipa é feminina; o lado feminino da existência procura a cooperação, em contraponto ao lado masculino em que a acção competitiva é dominante. Há alturas em que é necessário trabalhar em conjunto, outras em que é necessário agir individualmente. Mas é fundamental a capacidade de distinguir e procurar constantemente o equilíbrio! Temos vidas a necessitar de cura, um planeta igualmente a necessitar de ser curado e é da desigualdade que se verifica desde há milénios entre as polaridades masculina e feminina que surgiu a ausência de harmonia, causadora de doença, escassez, desumanidade!

Nesta Lua Nova, neste eclipse, semeie intenções alinhadas com aquilo que o céu transmite, disponha-se a fluir com as mudanças necessárias. Elas sempre ocorrem, é quando lhes resistimos que criamos dificuldades e problemas. Fazemos parte dum Todo, aprender a funcionar nesta grande equipa é uma tarefa compensadora em que todos temos a ganhar.

Tem lugar reservado, adira…  se é que ainda não o fez!

 

 

Informação sobre consultas aqui

Share Button

Lua Cheia de Peixes, 29 de Agosto

Lua cheia

Lua Cheia em Peixes, 29 de Agosto, 19.35h

 

Como sempre, uma Lua Cheia é o símbolo dum período de tempo em que a luz brilhante da consciência (Sol) inunda o que está habitualmente longe da “vista”, o inconsciente (Lua). Mas neste caso, não fica longe do coração, pode é tolher o coração, amachucá-lo, não o deixar bater de alegria e prazer. Por isso todas as oportunidades são boas para inspeccionar o que neste nosso inconsciente guardamos. As emoções são o instrumento através do qual percebemos o estado do nosso interior, e nesta fase em que estão mais activas, é a altura exacta para iniciar a viagem ao centro de nós mesmos.

A Lua em Peixes conjunta a Neptuno, estará completa e duplamente mergulhada no mar energético que liga tudo e todos. Este aspecto indica que a nossa sensibilidade e intuição estarão bem presentes, e assim o contacto com os reinos mais subtis da nossa existência está facilmente acessível.

O Sol em Virgem tem um foco oposto, realidade bem concreta, palpável, rotinas, trabalho, melhoramento constante do dia-a-dia. Júpiter faz-lhe companhia, indicando que será através desta área da nossa vida que iremos crescer durante aproximadamente os próximos 12 meses.

São duas energias em oposição, e é no equilíbrio entre ambas que se encontra a harmonia necessária à expressão plena do que simbolizam. É possível resumir muito e dizer que simbolizam a existência que se manifesta nas três dimensões – Virgem, signo de terra, realidade terrena, regido por Mercúrio que também rege Gémeos, signo de ar relacionado com o intelecto – e nas dimensões que as transcendem – Peixes, signo de água, emoções e fantasia, regido por Júpiter que também rege Sagitário, signo de fogo, fé e expansão.

Os Símbolos Sabianos envolvidos nesta Lua cheia:

Sol – “Um harém”

Pista: espera passiva

Lua – “Iluminada por um raio de luz, uma grande cruz encontra-se nas rochas cercadas pelo nevoeiro”

Pista: A bênção espiritual que fortalece os indivíduos que, aconteça o que  acontecer, ficam intransigentes na sua própria verdade

À primeira vista, esta espera passiva a que o Sol está “sujeito”, pareceu-me pouco coincidente com a atenção ao trabalho de Virgem, que de formas diversas nos influencia a todos. Pura ilusão! São as rotinas, tantas vezes pouco reconhecidas e valorizadas, que preparam os caminhos que nos conduzem aos nossos objectivos. Enquanto não chegamos à meta estabelecida, vamos fazendo o que é possível, como que entretidos passivamente à espera do grande momento. E se for a verdade pessoal que nos guia, de facto estaremos iluminados por um raio de luz, mesmo sem o sabermos!

A oposição entre o Sol e a Lua é sempre o tema principal de uma Lua Cheia, obviamente! Mas outros assuntos decorrem paralelamente. Um que me parece interessante, acontece em Leão, com Vénus retrógrada em conjunção a Marte. Enquanto Vénus passa em revista, se o que valorizamos está actualizado ou nem tanto, nomeadamente nas relações pessoais, Marte dá impulso a este processo que tem importância para os nossos projectos mais criativos. Mais, dá impulso ao próprio projecto! E se está a pensar que criatividade não é a sua especialidade, engana-se! Somos autênticos criadores da nossa própria vida, a nossa obra mais importante que nunca sai das nossas mãos.

Acontece que Marte está em trígono a Urano em Carneiro. Urano procura desfazer-se do que condiciona, do que aprisiona e em Carneiro ganha a força da vontade de fazer depressa. Marte é o regente de Carneiro, cuja especialidade não é a paciência. Pode então dizer-se que neste trígono fala da impaciência de libertação através do que criamos. Mas…. relembrando o tema central desta Lua Cheia, vamos lá acalmar as pressas. “Depressa e bem não há quem” diz a sabedoria popular!

Até por experiência própria, sei que lidar com a impaciência pode ser duro! Mas por agora temos tanta energia em Peixes, que esta tarefa está facilitada. Vamos relaxar, respirar, confiar, entrar em contacto connosco próprios, onde guardamos a nossa verdade mais pura, ela que é a única que nos pode “salvar da cruz”.

 

 

 

Share Button

Lua Nova em Leão, 14 de Agosto

Lua

 

Lua Nova, 14 de Agosto, 15.53 h, no grau 22 de Leão, cujo Símbolo Sabiano é:

“Um pombo-correio no cumprimento da sua missão”

Pista: Espiritualidade, em treino de formação para o serviço à humanidade.

A “libertação” de energias mais elevadas torna-se eficaz e valiosa na medida em que serve a um interesse superior. Realizações individuais só adquirem o seu verdadeiro significado, desde que cumpram uma função colectiva.

 

Mais uma Lua Nova, em Leão desta vez, representando um momento em que acalentar, semear o que desejamos, vai contar com a ajuda Universal. Leão irradia a sua própria identidade, sabe o que quer e segue nessa direcção. No entanto, o símbolo onde acontece o encontro do Sol com a Lua, deixa adivinhar que são os objectivos que tenham por meta servir a todos, aqueles que poderão ver um desenrolar positivo. Marte e Vénus também neste mesmo signo, contribuem para este propósito, cumprindo cada um as suas próprias funções. O primeiro disponibiliza impulso para agir com o intuito de vencer, chegar à meta desejada. Vénus está retrógrada, em processo de revisão de valores e de formas de se relacionar. Em trígono a Urano em Carneiro, são os valores que falam do bem-estar colectivo que irão ter lugar de destaque, ou não fosse Urano co-regente de Aquário. Tal como fala o símbolo, as realizações individuais (Leão) adquirem um significado especial quando postas ao serviço da comunidade (Aquário). Entre o individual e o colectivo é necessário equilíbrio, e Vénus assegura-se da sua existência, tanto mais que o nodo norte ainda em Balança, aponta exactamente para a necessidade de harmonia entre todas as formas de relacionamentos.

Se em Leão se cria e em Aquário se leva em conta o colectivo, em Virgem trabalha-se para servir. Júpiter e Mercúrio estão já neste ponto do ciclo, em que as nossas criações são postas à disposição dos outros. Em Virgem não só se trabalha em benefício dos outros, como é através desse serviço que aperfeiçoamos o que nos saiu da mente, das mãos, da vontade e da inspiração. Já não é o brilho optimista que sentimos, enquanto moldávamos a nossa matéria-prima interior, que nos move as intenções. Agora queremos tornar esse brilho resplandecente, não para recebermos aplausos e louros, mas porque sinceramente queremos ajudar os outros da melhor forma possível, fazendo tudo eficazmente, sem mácula! É desta forma, que já temos a mente sintonizada, e é desta forma também que durante os próximos 12 meses do trânsito de Júpiter por Virgem, vamos continuar a crescer e a desbravar caminho, porque há outros horizontes a serem descobertos, outras formas de vida que esperam por nós.

Mercúrio fazendo trígono a Plutão, relaciona-se com uma profunda capacidade de análise, raciocínio lógico e concentração, aptidões desejáveis para as aspirações virginianas. Júpiter recentemente vindo de Leão, em conjunção à Lua Nova, expande já objectivos e emoções ligadas à necessidade de trabalho, de estudo também, de seriedade e aprimoramento das metas a atingir.

Sol e Lua fazem quadratura a Saturno em Escorpião. O pombo-correio no cumprimento da sua missão terá ainda alguns testes e limitações que ultrapassar, mas estando o propósito em sintonia com o serviço à humanidade nada há que temer. Afinal ultrapassar obstáculos torna-o mais forte, mais sábio, mais eficiente e ele nem está sozinho! Há um Todo Absoluto que o guiará, como guia a todos aqueles que ouvem a única grande Autoridade, a sua própria alma, a sua própria voz interior.

Preparemo-nos então para mais uma lunação, semeando vontades e intenções, que sirvam a um mundo cada vez mais equilibrado, harmonioso e respeitador do bem comum!

 

Share Button

Lua Cheia de Aquário, 31 de Julho de 2015

Lua cheia

 

31 de Julho, 11.40, Lua Cheia em Aquário

 

Nesta Lua Cheia temos o Sol, significador da vontade, do propósito, a irradiar a partir de Leão, signo de que é regente, e por isso o seu brilho é ainda mais resplandecente! Irradiação, é assim uma palavra, que descreve bem o tipo de energia em causa; irradiar é emitir de dentro para fora. Uma outra palavra associada a Leão é criatividade. O que é a criatividade senão a irradiação daquilo que criamos dentro de nós? É possível numa primeira abordagem, associarmos a capacidade criativa a áreas específicas como a música, a escrita, a pintura, o artesanato, a culinária. Nem todos  dominamos alguma técnica ligada à arte, mas a verdade, e raramente nos damos conta disso, é que há algo que todos criamos … a nossa própria vida!

Em Leão, para além do Sol, está Júpiter cuja função está ligada à expansão, ao crescimento. Júpiter entrou em Leão em 2014 a 17 de Julho, isto é, há mais de 1 ano que todos entrámos num período de tempo de criação, ou recriação da nossa própria vida, de uma forma abrangente. Um grande número de pessoas mudou de rumo, ou viu grandes transformações serem efectivadas, e aqueles que aparentemente não o fizeram provavelmente deram passos importantes nesse sentido, mesmo sem grande consciência de que o fizeram. Há que lembrar que um insucesso, pode simplesmente ser o sinal de alguma coisa de novo! Júpiter seguirá para Virgem em breve, a 12 de Agosto, mas nem por isso a nossa força criativa está a abrandar. Depois da expansão criativa do último ano, continuamos o processo de criação, desta vez no plano intelectual e da comunicação, uma vez que Mercúrio também entrou na “dança” desde 24 de Julho, logo seguido pelo Sol, quando os dois entraram em Leão. Mais…. Vénus também por aqui andou recentemente enquanto não transitou para Virgem. Novos valores, novo senso de auto-estima, novas formas de nos relacionarmos fazem parte agora da nossa mais recente Obra, cuja versão inicial dá os primeiros sinais de vida.

Oposto a Leão está Aquário, signo onde se encontra a Lua. Ela recebe o brilho do Sol, ilumina-se com o que de novo foi criado e reflecte impessoalmente de forma igualitária por todos. Em Leão cria-se com a nossa matéria-prima pessoal, os nossos valores, o que sabemos e aprendemos, o que sentimos. No entanto não somos seres isolados, vivemos em grupos, em famílias, em comunidades, pertencemos a uma sociedade. Leão gosta de reconhecimento, afinal criar sim, mas para ser partilhado, e Leão é também generosidade. É por isso importante que o que está criado de fresco, sirva todos de igual forma. Mais do que nunca, isto deve ser colocado em prática, pois em plena transição para a Era de Aquário, só o que tem em conta o bem-estar de todos, e do Todo, poderá vingar.

Júpiter, o primeiro a dar o pontapé de saída desta fase de expansão criativa, vê-se desde há algum tempo a braços com uma quadratura a Saturno em Escorpião; começou a aproximar-se em finais de Junho e verá o culminar com o ponto exacto da quadratura a 3 de Agosto, altura em que Saturno já estará no movimento directo seguindo definitivamente para fora de Escorpião e entrando de vez em Sagitário. Como interpretar esta quadratura mesmo no final do trânsito de Júpiter por Leão, com Saturno no final também da sua estadia em Escorpião? Bom, o que temos andado a criar servirá para expandir o conhecimento que temos, aquilo que conhecemos; com Júpiter envolvido na criação, o impulso é procurar a verdade noutras paragens, sejam elas físicas, mentais ou espirituais. É uma aventura para a qual precisamos ir bem preparados, os planos da viagem devem estar responsavelmente estruturados e tudo organizado; por outro lado, levar peso excessivo é contraproducente, não faz sentido e atrapalhará seguramente. Foi esta a função de Saturno, sem tirar nem pôr! A passagem por Escorpião efectuou a purificação do inconsciente, porque é dele que brota a matéria-prima de qualquer criação, e por outro lado, a quadratura mais não é, do que o conjunto dos últimos preparativos, a verificação de que tudo está perfeitamente preparado para o próximo passo. No momento da Lua Cheia esta última verificação está perto da conclusão!

Cada um de nós recriando a sua própria vida, fá-lo interrelacionando-se com outros que por sua vez estão sujeitos ao mesmo processo. Em última instância todos estamos fazendo a nossa parte para uma recriação da vida terrena. O Universo é holográfico, as partes são semelhantes ao Todo, e o que temos vivido nas nossas vidas pessoais, vive-se noutra escala mais universal de forma semelhante.

Olhando os Símbolos Sabianos envolvidos, começo pelo do Sol

“Um activista comunista espalha os seus ideais revolucionários”

Lembrando que a origem destes símbolos remonta ao início do século XX nos Estados Unidos, é necessário perceber que as ideologias de esquerda política eram vistas como revolucionárias e algo estranho que ameaçava o sistema. De notar que a Lua está em Aquário, e que um dos regentes é Urano. Curiosamente Urano foi descoberto em 1781 e pouco tempo depois dá-se a Revolução Francesa, quer apesar de todos os excessos e erros, ainda assim tinha como lema Liberdade, Fraternidade e Igualdade, exactamente o que pode definir Aquário!

Tal como naquela altura alguns grupos da população sentiam a necessidade de criação de uma nova forma de sociedade, também nós actualmente sentimos que as estruturas em que assentam as nossas vidas e a sociedade de uma forma geral não servem mais. E tal como naquela altura, ambicionamos um novo mundo em que o bem-estar seja a regra para todos! Quem partilha desta ambição, coloca em causa o sistema, pode ser visto como revolucionário e faz o que pode para espalhar aquilo em que acredita, tal como o activista do símbolo. Mas o futuro é ainda uma miragem, é ainda apenas e só uma imagem visionária, inanimada. Vamos ver o símbolo da Lua aquariana…

“Uma exposição de figuras de cera vestidas com belas roupagens”

Ora cá está! Estamos numa fase em que visualizamos o desejável e desta forma impregnamos a nossa consciência com o que ainda não é, mas pode vir a ser.

“Deus criou-nos à sua imagem e semelhança”… Quem nunca ouviu isto? Fica desde já esclarecido que não estou, nem nunca estive ligada a qualquer tipo de religião, mas reconheço actualmente, que na base de todas elas existe uma base válida e que transmite algumas verdades. Aquela frase é uma dessas mensagens. Se Ele é o Criador, e nós a Ele somos semelhantes, então somos igualmente Criadores, e em Leão mostramos do que somos capazes! Que temos poder e coragem para dar vida às figuras de cera que nos servem de inspiração, é o que esta Lua Cheia me sussurra.

O Criador que há em mim saúda o Criador que há em ti!

Namastê!

 

 

 

 

Share Button

Lua Nova de Caranguejo

Grande mãe

 

Lua Nova de Caranguejo no grau 23°13’, 16 de Julho, 2.20 h

A primeira coisa que imediatamente sobressai é a grande ênfase colocada em Caranguejo, com o Sol, a Lua, Marte e Mercúrio, os quatro neste signo. Vale a pena por isso, começar com a simbologia relacionada. Regido pela Lua, Caranguejo representa as emoções, a forma como nos percepcionamos, as raízes familiares, o senso de segurança, o cuidar, a mãe. Este ciclo começa portanto sob uma forte componente emocional, não só pela concentração de energias em Caranguejo mas igualmente porque temos Saturno em Escorpião e Neptuno em Peixes, todos eles signos do elemento água, todos ligados ao patamar emocional. Com excepção de Neptuno, Saturno e Plutão todos os restantes planetas estão sob a influência da Lua, que estando no signo da qual é regente se encontra posicionada de forma poderosa. Sintetizando, temos uma configuração astrológica com muita emoção em que a Lua assume o papel da Grande Mãe.

Se a Lua é a mãe, Saturno é o pai. Tradicionalmente a mãe cuidava, mimava e desculpava mais facilmente, o pai impunha respeito, limites e responsabilidades mais frequentemente. Estas são imagens estereotipadas, que ainda assim ajudam a entender uma parte do que se passa. Saturno em Escorpião pode ser comparado ao pai que verifica o que a criança atafulhou no quarto das brincadeiras; analisando meticulosamente com paciência cantos e recantos, encontra todas a espécie de objectos; brinquedos partidos, estragados, outros demasiado infantis, livros rasgados, e mais alguma tralha que apenas ocupa lugar e não tem uso! Tudo amontoado preparado para ir fora! Mas a criança, apegada a tudo aquilo pode ficar tensa, aborrece-se, talvez chore. Ela que queria estar alegremente a viver a sua vida de criança, agora que as férias chegaram, entregando-se ao prazer do tempo livre, inventando aventuras sem fim (Vénus e Júpiter em Leão…. Leão sendo lazer, alegria e crianças….) tem que se confrontar com a mania da organização e responsabilidade do pai (Vénus e Júpiter em Leão fazem quadratura a Saturno)! A ajuda sensível da mãe, acalmando e mostrando que é uma limpeza necessária, faz toda a diferença e suaviza o episódio!

Caranguejo é também a forma como nos auto percepcionamos. Dependendo desta nossa percepção subjectiva, e da natureza do que está a ser revelado por Saturno, dependendo também de tudo o que faz parte da nossa vida consciente e inconsciente, assim serão as nossas emoções. A qualidade destas determina a qualidade da realidade que criamos, que experimentamos.

Mas o que sentimos, e os pensamentos que se geram em consequência, estão limitados por tantos condicionamentos passados, nem sempre de acordo com o que desejamos! Quantas vezes queremos largar um pensamento ou um sentimento recorrente, que nos causa tristeza, desânimo, raiva ou frustração e a dificuldade em fazer valer a vontade é sistematicamente contrariada! Oposto aos quatro planetas em Caranguejo está Plutão retrógrado em Capricórnio. Uma oposição sinaliza uma chamada de atenção para a necessidade de integrar, unificar as duas energias. Se Caranguejo é como nos vemos, se é o receptáculo das nossas emoções e se tudo isto precisa de actualização então vamos usar a capacidade de metamorfose de Plutão que em Capricórnio tem como função precisamente transformar o que é necessário.

O Símbolo Sabiano referente ao grau da conjunção do Sol e da Lua é:

Uma mulher e dois homens náufragos numa pequena ilha dos mares do sul

Dane Rudhyar continua: A mulher e os dois homens representam o aspecto triplo da personalidade humana, a vida emocional (a mulher) está enfrentando a possibilidade, se não a inevitabilidade, de se relacionar tanto com o espiritual como com o mental. Este confronto ocorre em uma pequena ilha dos Mares do Sul, e “sul” sempre se refere simbolicamente aos impulsos fortes e apaixonados da natureza humana. De alguma forma a consciência tríplice tem que desenvolver uma forma harmoniosa e bem integrada de vida.

Os impulsos fortes de que fala o símbolo lembram-me Marte, o plano mental relaciono com Mercúrio, e os dois fazem quadratura a Urano. Na situação descrita, temos uma pequena comunidade onde é necessário desenvolver uma nova visão de estrutura social, que garanta a harmonia e a sobrevivência dos três personagens envolvidos, sendo isto a tarefa de Urano, regente de Aquário, signo da procura do bem-estar comunitário. São de prever escaramuças, mas a tensão é passível de ser acalmada pela supremacia da Lua no seu próprio reino! Tal como a pequena comunidade de náufragos, toda a humanidade está passando pela mesma inevitabilidade de integração, pela mesma experiência, procurando novas formas de fazer face aos desafios, sentindo cada vez mais que há que alinhar emoções, mente e espírito.

Neptuno em Peixes, símbolo do plano espiritual, está em sextil a Plutão; as transformações efectuadas podem ser levadas a bom termo e em resposta à necessidade de tornar Uno o plano emocional, mental e espiritual. Mercúrio, Marte e Saturno fazem trígono a Quíron, ele que tem como função curar a “ferida” ligada à crença da separação que sentimos em relação ao Todo, de que afinal fazemos parte, e de onde podemos retirar soluções e curas para todos os problemas!

Buda terá dito: “A lei da mente é implacável. O que você pensa, você cria; O que você sente, você atrai; O que você acredita, torna-se realidade”. Está aqui espelhado a importância da integração dos três planos de que fala o Símbolo desta Lua Nova. O cuidado atento da Grande Mãe está presente em mais este novo ciclo lunar. Está disponível para quem o quiser aceitar. Cuidando de nós mesmos, do que pensamos e do que sentimos, aceitando as transformações que nos conduzem a uma existência de bem-estar pleno, criamos a nossa realidade de sonho! E quando isto acontece, tudo à nossa volta vai seguindo o mesmo caminho.

Em mais um início de ciclo lunar, temos a oportunidade de lançar sementes, intenções em sintonia com o que é proposto, e preparar a colheita.

Share Button

Lua nova de Gémeos

Lua nova

 

Lua nova de Gémeos, 16 de Junho, 15.05 h, no grau 25°07’.

Gémeos lembra a curiosidade das crianças. É a aprendizagem que decorre da interacção com o que nos cerca. E porque o ambiente em que nos movimentamos tem sempre tanta coisa diferente, há mil coisas com as quais nos relacionarmos, das quais retirar alguma informação. Nesta fase do ciclo, queremos saber tudo, a actividade mental está activada! Procuramos respostas em todo o lado, de todas as formas possíveis. Lendo, navegando na internet, conversando, vendo filmes, circulando, observando, ouvindo. Gémeos pode proporcionar dificuldade de foco já que a tendência é para dispersar-se por onde haja alguma coisa mais para assimilar e aprender, ou simplesmente ficar a par das novidades. Esta é portanto uma Lua Nova que marca um ciclo em que procurar informação, iniciar aprendizagens, comunicar para o exterior está em alta, e tudo o que estiver em sintonia e se iniciar sob esta energia tem o caminho facilitado.

Desde o início de Junho, Marte tem estado em aproximação a uma conjunção ao Sol, acentuando a tendência natural do Sol geminiano e que se relaciona com o que foi mencionado acima. Mercúrio, regente de Gémeos, esteve retrógrado até há muito pouco tempo, sugerindo e facilitando o refazer de algumas tarefas exteriores e igualmente o examinar do que mantemos em mente. Nesta Lua Nova, Marte está conjunto ao Sol e à Lua, embora já em separação mas ainda muito próximo, e portanto o tema da intensa recolha de dados está ainda muito presente. Absorvemos muita informação por um lado, mas tivemos o convite para olhar para dentro por outro. O símbolo Sabiano para esta lunação é:

“Num céu de inverno, árvores cobertas de gelo”

Pista: apenas o essencial

O que está simbolizado parece contrariar a circunstância de Gémeos ser exactamente o contrário, já que a curiosidade e a sede de saber que lhe é adstrita vai muito para além do que é essencial, correndo até frequentemente o risco de se perder no meio de toda a informação que assimila. E com Marte a empurrar pode literalmente empanturrar-se de novos dados. No entanto a contradição pode ser ilusória. Vejamos: o que se pretendeu com Mercúrio retrógrado? Um certo afastamento do exterior, um recolhimento para análise interna. E essa análise interna não será ela útil precisamente para identificar o que anda a mais, o que se acumulou em excesso e prosseguir apenas com o essencial? Faz sentido!

Pegando ainda na ideia de seguir apenas com o essencial, não só Mercúrio esteve retrógrado, como Saturno e Plutão têm estado igualmente, todos eles a pedir um olhar interno. Estes três planetas “pediram e pedem” acima de tudo que seja identificado o que não é necessário, tudo o que não é essencial. É um processo que pode ser difícil. Crescemos com demasiadas ideias feitas acerca de quem deveremos ser, independentemente de isso nos ser útil ou não. Precisamos de servir um padrão cultural, social às vezes religioso; precisamos ser uma peça numa engrenagem para a qual não fomos chamados a construir mas que aceitamos fazer parte. Abrigamos muito mais do que é nosso, mas porque é o que conhecemos, largar não é fácil, o hábito prevalece como um vício, o medo toma conta. Neptuno também iniciou o movimento de retrogradação há poucos dias. Amor incondicional, compaixão são duas palavras que também definem a função deste planeta e porque está na condição descrita, mais facilmente temos a capacidade de sentir que não há castigo para ninguém, que temos suporte, que nada acontece por acaso, que o que parece nos afrontar é a oportunidade de nos libertar. Saber isto, faz parte do essencial! Saber que é preciso querer aderir, também! Temos livre arbítrio, pelo menos até um certo ponto.

O regente de Gémeos, Mercúrio está em quadratura a Neptuno. Mercúrio em Gémeos é a mente racional e lógica, preparada para operar nas três dimensões. Neptuno pertence ao reino do espírito onde prevalece o sentir, e as regras não são as das três dimensões, aquelas para onde temos permanentemente a atenção focalizada. Para aproveitar as duas energias é necessário encontrar uma via em que ambas se consigam expressar, caso contrário uma vai prevalecer em detrimento da outra mas à custa de confusão mental, ilusão ou falta de concentração. É preciso aceitar a existência de dimensões não físicas, mas simultaneamente fazer uso da capacidade de discriminação e inteligência para identificar o que é pura fantasia e o que é potencialidade. Nós podemos fazer uso da mente racional para aprendermos a limitar a racionalidade lógica e por outro lado abrirmos espaço à intuição, sem perder no entanto o contacto com a realidade terrena. Saber isto é também essencial.

Urano em Carneiro quer a libertação de todos os padrões e de todas as estruturas que nos amarram e nos impedem de alcançar as potencialidades com que aqui chegámos. Júpiter em Leão quer novos horizontes, novas formas de abordar a vida levando em consideração a Verdade individual e colectiva; há aqui uma grande dose de fé na Vida, há alegria e optimismo. Urano faz trígono com Júpiter, os dois seguem em harmonia, não falta criatividade para inventar o que ainda não foi inventado! Vénus também em Leão está conjunta a Júpiter e o que acontece é que temos prazer em tudo aquilo que está simbolizado por Urano e Júpiter. E quando há prazer transformamo-nos em ímans com capacidade de atrair o que nos faz bater o coração. Outra coisa essencial…. encontrar e manter na nossa vida o que faz o coração bater!

Volto à imagem que o símbolo evoca.  A vida é cíclica, e há momentos de abundância, de vida e cor, de agitação por todo o lado, e há também pausas que se impõem, em que tudo à nossa volta e em nós se recolhe, hiberna, em que tudo se resume ao essencial…. mais uma vez! E o que acontece quando o gelo derrete e o Sol aquece? O essencial passa a ser a estrutura em que a Vida floresce!

Lua nova 2

Share Button

Saturno reentra em Escorpião

Saturno

A nossa vida é feita de um número incomensurável de experiências. A todas elas corresponde uma resposta emocional, mais ou menos intensa, mais positiva ou mais negativa. Em patamares de consciência a que não temos acesso facilmente tudo fica registado. Tivemos boas experiências e outras nem tanto, algumas traumáticas, outras de que nos envergonhamos, umas que aceitámos, outras que reprimimos, algumas que nos amedrontaram… Evoluir é mudar, é passar de um estado para outro, é actualizar a percepção que temos do mundo e da realidade. Mas a verdade é que por várias razões muitas vezes ficamos emocionalmente presos a determinadas circunstâncias que não nos permitem essa passagem, que não deixam por isso evoluir. É em Escorpião que as motivações e questões mais profundas do Eu, são purificadas. Ciclicamente uma “purga” é necessária para que a alma possa prosseguir caminho, livre de pesos desnecessários à procura de novos horizontes, à procura da verdade simbolizada por Sagitário, signo que se segue a Escorpião.

A 5 de Outubro de 2012 o planeta Saturno entrou em Escorpião e por lá se manteve até ao final de Dezembro de 2014. Saturno tem a função de concretizar, materializar, estruturar, trazer às três dimensões o que seja mantido energeticamente em algum nível do nosso ser. Em Escorpião como foi registado, as limitações ao evoluir da alma precisam ser transformadas ou eliminadas e quando em contacto com Saturno ganham corpo e entram na nossa vida de forma tal que não podemos fingir que não sabemos, ou que não vemos, ou que não sentimos na pele. Se analisar a sua vida durante este período compreenderá. Tudo o que de menos bom aconteceu foi na realidade uma bênção! Estava a mais, pesava, não deixava avançar.

Do final de Dezembro até agora Saturno tem estado em Sagitário; a 15 de Março ficou retrógrado e vai reentrar em Escorpião a 15 de Junho. Por lá ficará até 17 de Setembro, até que finalmente sai definitivamente. A intenção, porque tudo isto tem uma intenção por detrás, é termos a oportunidade de fazermos uma última revisão para haver a certeza que não fica esquecido nada que seja inútil, prejudicial. Que fique só o essencial, o benéfico, o que precisamos para prosseguir a jornada.

A retrogradação de um planeta indica tempo de análise interior. Com Saturno em Escorpião está feita a proposta para usar tempo e disponibilidade dedicados a descobrir o que ainda poderá restar pelos cantos esquecidos e escondidos do seu Eu, aqueles mais distantes da luz da consciência. A limpeza dá-se sempre, com a nossa colaboração ou não. Colaborar ajuda, resistir pode fazer doer! Com sorte, a passagem anterior deixou tudo limpo e a brilhar, mas pelo sim pelo não dê uma olhada!

Para relembrar Saturno em Sagitário: aqui

Share Button

Lua Cheia de Sagitário, 2 de Junho

Semi círculo

Dia 2 de Junho de 2015, 17.19h, Lua Cheia em Sagitário.

Já tenho o hábito instalado, começo pelos Símbolos Sabianos, nomeadamente pelos do Sol e da Lua, os dois principais elementos de uma Lua Cheia. O que está a itálico é directamente relacionado com a interpretação de Dane Rudhyar.

Sol – 12 de Gémeos: “Uma menina negra luta pela sua independência na cidade”

Pista: Libertação dos fantasmas do passado.

Lua – 12 de Sagitário. “Uma bandeira transforma-se em águia; a águia num galo que saúda a alvorada”

Pista: A espiritualização e promoção dos grandes símbolos de uma Nova Era por mentes atentas àquilo que precede a sua manifestação

A águia simboliza a vontade espiritual e o poder de subir à altitude mais alta possível de consciência e propósito. Voando a tal altitude, a águia é a primeira criatura viva a perceber o sol nascente. Tendo percebido, e ao transformar-se em galo anuncia a vinda de um novo dia.

As bandeiras simbolizam nações que são constituídas por vários indivíduos, cada um com a sua própria experiência de vida e nível de consciência. Nações que estão ligadas a um passado, ao momento em que nasceram. Também a cada um de nós poderá ser atribuído um símbolo pessoal. Por exemplo, de certa forma o nome pelo qual somos conhecidos não será a nossa “bandeira” pessoal? “Bandeira” esta que assinala igualmente a nossa origem, através dos apelidos!

A Lua transitou por Escorpião antes de entrar em Sagitário; foi por onde andou durante o fim-de-semana. Aqui ela entra profundamente em contacto com o inconsciente, e aqui, emocionalmente está tudo guardado, tudo o que fez parte de todos os nossos passados…. porque tal como as nações, fomos ao longo de várias vidas vestindo a pele de vários indivíduos. Somos o resultado de infinitas vivências, e sabemos bem que do passado fazem parte formas de vida que queremos abandonar, transcender, transformar, regenerar. Tudo isto, está bem presente, quando de seguida entra em Sagitário e é iluminada pelo Sol! Tal como escravos, temos ânsia de libertação. Muitas vezes também, ainda nem percebemos que a essa libertação corresponde um elevado nível de responsabilidade; outras vezes, o medo de assumir as responsabilidades mantém-nos presos. Mas cada vez mais e mais de nós, experimentam o voo da águia que sobe alto, e percebemos que vem aí um alvorecer diferente. Perdemos o medo e assumimos a responsabilidade de criar a vida em sintonia com quem somos, não de acordo com o que querem que sejamos. A nossa individualidade muito particular e muito única, é simbolizada por Urano, o Grande Libertador. Ele, que nos ajuda a romper com os condicionamentos antigos está em trígono à Lua, a puxar o futuro para o presente, afastando o passado. Mais do que querer, sentimos necessidade de novos horizontes, horizontes Sagitarianos! É por tudo isto que a menina negra luta, e a Luz está com ela… tal como está com todas e todos que já não se deixam amedrontar por fantasmas!

Marte também terá um papel importante neste cenário, já que está em conjunção ao Sol e oposição à Lua. E o símbolo é:

16 de Gémeos: “Uma activista em discurso emocionado dramatizando a sua causa”

 Pista: A resposta apaixonada a uma nova experiência profundamente sentida.

O que foi “descoberto” não só precisa ser discutido e testado através de um intercâmbio intelectual como também precisa ser difundido e divulgado no meio daqueles que ainda não estão conscientes do novo tempo que se avizinha. Um público é necessário, e tem que ser convencido; a sua resistência e inércia tem que ser superada.

Apetece-me dizer que estamos perante uma Lua cheia muito politizada! Veja-se como Marte se alia ao Sol. A oposição da Lua em Sagitário equilibra com uma visão abrangente do que é a realidade; esta, não é só o ambiente mais imediato, simbolizado por Gémeos. A Grande Realidade é que o ambiente imediato é apenas uma pequena parte da Verdade. E para transcender o passado é necessário assimilar este novo conhecimento. Isto é também o que a águia viu quando subiu ao alto, e agora sabe o galo que canta ao nascer do dia.

Um último aspecto a considerar é Júpiter, ligado ao Sol em sextil e à Lua em trígono, os três em harmonia portanto. Júpiter, regente de Sagitário, é uma energia que expande; por isso em Leão temos a capacidade de ver aumentadas qualidades como generosidade, acção para a criação, optimismo, alegria de viver, fé nas nossas capacidades. Isto são qualidades que precisamos sempre, especialmente quando entrámos em modo de “libertação dos fantasmas do passado”. E o símbolo de Júpiter é:

17 de Leão: ” Um coro de voluntários cantando hinos religiosos”

Pista: O sentimento de união que une homens e mulheres na sua dedicação a um ideal colectivo.

À medida que nos libertamos dos aspectos passados que não servem mais, à medida que percebemos que depois da noite escura, e às vezes assustadora, vem sempre mais um dia que tem o poder de espantar todos os fantasmas, à medida que voamos alto e percebemos o que está para lá da realidade mais imediata, à medida que assumimos a responsabilidade por viver de acordo com os novos saberes, à medida que vamos vivendo novas filosofias de vida vamos pertencendo a um grupo de homens e mulheres que se dedicam a um novo ideal colectivo. E assim pouco a pouco, uma nova Terra vai sendo moldada!

Toda esta simbologia está presente no céu na altura em que se der a oposição exacta do Sol e da Lua. Como em qualquer Lua cheia, sob o efeito da luz da consciência (o Sol) temos uma grande oportunidade para perceber o que mantemos dentro, sejam sentimentos, crenças, comportamentos que de alguma forma estão ligados ao passado. Observe-se, e identifique o que causa mau estar, incómodo, o que não serve mais. Se a mensagem contida neste instante for para si apelativa, se está em sintonia… junte-se ao coro, mesmo que ainda desafine!

 

 

 

Share Button

18 de Maio, Lua Nova de Touro


Constelação de Touro

 

Segunda-feira, 18 de Maio 5.13 h e é Lua Nova no grau 26°55′ de Touro. Mais uma vez o ciclo da Lua recomeça, e mais uma vez novos processos podem ter desenvolvimento.

Símbolo Sabiano do grau onde acontece o encontro do Sol e da Lua

“Uma mulher índia, adulta, que vende artefactos da sua tribo aos transeuntes”

Pista: Adaptação pacífica às necessidades colectivas

Touro, sendo o segundo signo do Zodíaco, muito perto do “início”, faz recair a atenção para questões estritamente relacionadas com a necessidade de manter o que recentemente foi criado. É necessário alimentar, fazer enraizar, ter recursos, ter aptidões para permitir o crescimento saudável daquilo que surgiu. É um tempo em que pode ser necessário um grande enfoque numa área específica e restrita. E no entanto, porque nada é separado de nada, e tudo faz parte de um grande Todo, é simultaneamente fundamental que aquilo que esteja a ser alimentado, criado, enraizado, de alguma forma sirva um grupo, uma sociedade, uma comunidade. A tribo da mulher que vende as peças relacionadas com a  sua cultura, cria alguma coisa muita própria, talvez muito única, mas que precisa ir ao encontro do que outros grupos humanos apreciam ou valorizam para puder ser dispersada e partilhada.

É claro então, que apesar da concentração necessária em fazer crescer metas, objectivos, ideias, o que quer que seja, não podemos nunca esquecer que fazemos parte de uma rede invisível mas real, e que para manter a rede saudável o que temos em mãos e em mente deve estar de acordo com regras e filosofias assentes na verdade, pois só esta tem viabilidade a longo prazo, e é garantia de bem-estar. E para lembrar que esta circunstância não vai ser ignorada, há uma oposição do Sol e da Lua a Saturno em Sagitário. Saturno retrógrado no signo da procura da Verdade precisamente a pedir que a verdade interior seja trabalhada, descoberta, estabelecida e estruturada. Para isto acontecer, precisamos aprender a virtude da paciência; paciência não á atributo de Marte, que anda por Gémeos, em conjunção à Lua Nova, a imprimir aceleração aos pensamentos e ideias. Claro que neste processo a mente é necessária e tem contributo precioso, mas há que funcionar de acordo com a vontade de Saturno, porque ele é a representação da Autoridade, ele decidirá quem pode ultrapassar o limiar que dará acesso às liberdades que Urano promete. A Grande Autoridade benevolente, está em oposição a Marte também, e garante assim a supressão de pressas e impulsos desnecessários.

Afinal o que é a nossa verdade? É tudo que sentimos, o que pensamos, o que fazemos de bem ou de mal, o que mostramos e o que escondemos; tudo o que alimentamos interiormente, de luminoso ou de tenebroso faz parte de nós. Mas nada disto é imutável porque “só a impermanência permanece”. A verdade de hoje não é igual à de ontem nem vai ser a mesma amanhã! Aquilo que acreditamos dita o que sentimos e o que pensamos, o que desejamos e o que tememos. Mas tudo são padrões e estruturas prontas a serem transformadas, eliminadas até, se não nos servirem. Alguém quer uma verdade destruidora? Claro que não, a começar pela nossa própria alma, que faz tudo para nos colocar no caminho correcto. A alma está relacionada com Plutão; Plutão em Capricónio, retrógrado também, faz a sua parte ajudando-nos neste trabalho de reestruturação de padrões internos, para que uma verdade novinha em folha possa surgir, livre de crenças e sentimentos destrutivos, inibidores de caminharmos assumindo quem somos de facto. Mais simples ou mais complexos, somos aquilo que precisamos ser para cumprirmos o nosso caminho evolutivo. E este faz-se sempre com um sentimento de leveza e alegria; tudo o que não permite este estado não é a grande Verdade e deve ser reformulado! Plutão está em sextil a Neptuno, e podemos sorrir, respirar fundo e abraçar todas as transformações necessárias, porque a sensibilidade e o Amor Universal simbolizados por Neptuno estão a suavizar o que precisa ser feito. E nem falta criatividade porque há uma ligação a Júpiter em Leão; uma ligação com algum atrito a vencer, mas seguramente a generosidade e o optimismo de Leão dão conta do assunto!

Nesta proposta de trabalho, em que é sugerida a procura da verdade que é a nossa e serve o nosso bem, a mente tem um papel importante, e com Mercúrio em Gémeos fazendo sextil a Júpiter em Leão, temos clareza e fluidez de pensamentos optimistas, apontando para todas as possibilidades. E Mercúrio, depois da lua nova e em menos de 24 horas entra num período de retrogradação. Os planetas quando se encontram retrógrados servem uma função essencialmente interna, facilitando a auto análise e a auto descoberta. Portanto com Plutão, Saturno e Mercúrio retrógrados temos facilidade de acesso a quem somos e a quem queremos ser!

Em sintonia com estes requisitos, podemos nos alinhar com a Lua Nova e iniciar alguma coisa de novo, alguma nova atitude, algum novo projecto, talvez até apenas um novo passo dentro de um objectivo mais vasto. Ou podemos simplesmente partir à descoberta de quem somos afinal!

Para relembrar sobre Saturno em Sagitário: aqui

Lua NOva 18 de Abril

 

Share Button