Lua Cheia, Eclipse Lunar, 28 de Setembro

Lua cheia de Setembro

 

Lua Cheia, Eclipse Lunar, 28 de Setembro, 3.50 h

Depois do eclipse solar da última Lua nova, chega agora a Lua cheia e traz consigo um eclipse lunar. Qualquer eclipse marca uma época de mudanças e transformações mais acentuadas; em acréscimo, um eclipse lunar, através da simbologia do signo onde ocorre, fala do que é necessário integrar, assimilar, aprender. Desta vez o Sol estará em Balança, a Lua em Carneiro. E então qual é a proposta de aprendizagem? Independência, consciência da identidade própria, assertividade, coragem para empreender todos os inícios necessários. Numa Lua cheia os dois luminares estão em oposição, e em qualquer oposição, o que se pede é equilíbrio entre as duas polaridades em jogo; neste caso, com o Sol em Balança, conjunto ao nodo norte, aquela aprendizagem tem que honrar, obviamente, o respeito e o equilíbrio nas nossas relações com todos os outros. Será entre os dois pólos, o do “eu” e dos “outros” que as transformações amplificadas pelo eclipse irão decorrer. Para cada um de nós individualmente, as áreas de vida assinaladas por Carneiro e por Balança mostram onde esperar, com entusiasmo acrescento eu, essas alterações.

Símbolo Sabiano do grau onde se encontra o Sol:

“Um homem revela aos seus estudantes as fundações dum conhecimento interior, sobre o qual um novo mundo pode ser construído”

Conhecimento interior…. Mercúrio, relacionado com a estrutura mental, está retrógrado e por isso em processo de reflexão interna. Que conhecimento interno dentro de cada um de nós pode ser a fundação de um novo mundo? O nodo norte em Balança aponta o futuro, mas um futuro onde as relações humanas sejam de igual para igual, onde cada um de nós mantendo a sua individualidade respeite simultaneamente a individualidade do outro. Uma boa parte da humanidade tem este conhecimento, sabe que é o equilíbrio e o respeito mútuos que irão dar lugar às novas organizações sociais e familiares do futuro.

Mas se o futuro está em Balança, o passado (nodo sul) está em Carneiro conjunto à Lua. Uma Lua cheia, sendo um momento em que a iluminação atinge o inconsciente, é uma oportunidade para tomarmos conhecimento do que existe para largar, e o eclipse potencia esta circunstância. Carneiro contem em si, não só a aprendizagem deste eclipse, mas também a informação do que existe do passado para abandonar: excesso de individualismo, excesso de competitividade, excesso de agressividade, excesso de energia yang.

O regente de Carneiro é Marte, símbolo do masculino, energia yang. O regente de Balança é Vénus, símbolo do feminino, energia Yin. Desde há 6500 anos vivemos em sociedades patriarcais, em que a ênfase do masculino reprimiu exuberantemente o lado feminino da Vida. A Vida e a Terra rebelam-se. Urano está em Carneiro também, forçando a que novas ideias de sociedade emerjam. É preciso construir um novo Mundo abrindo portas e janelas a Vénus, ensinando Marte a ser, não o Deus da Guerra, mas o Deus da Acção corajosa, entusiástica e algo inocente que a Deusa do Amor precisa para gerar a tão desejada Paz na Terra.

Vénus e Marte estão em conjunção, como que assumindo comprometidamente o trabalho, lado a lado. Vénus ainda por Leão, valorizando o amor, a generosidade a criatividade; Marte recentemente chegado a Virgem agindo através do trabalho que ajuda os outros, que aperfeiçoa o dia-a-dia. É curioso observar a energia yang aplicada a tarefas yin, as tarefas de Virgem. E é de assinalar também que Vénus é dispositor de Marte; isto significa que, a função de Marte exerce-se sob a influência de Vénus. Revelador, no mínimo!

Nada disto é fácil, porém! Sol e Lua em quadratura a Plutão em Capricórnio mostram isso mesmo; há poderes instalados que lutam aguerridamente para manter o estado das coisas, que querem preservar o passado. Lançam-se medos vários, constantemente, numa tentativa de manter viva a atitude de luta pela sobrevivência que não permite considerações pelos outros. Não há lugar a relações equilibradas quando se acredita que o mundo é hostil, e é preciso estar alerta para defender a pele ou os recursos necessários à sobrevivência.

O Símbolo Sabiano do grau onde está a Lua:

“Um triângulo com asas”

O símbolo remete-nos para a capacidade de auto transcendência, que conduzirá a uma nova dimensão de ser. “Sê a mudança que queres ver o mundo”. Enquanto as grandes estruturas que nos suportam não abandonam de vez o nodo sul e abraçam definitivamente o nodo norte, façamos nós individualmente essa transição e a seu tempo teremos o tal novo mundo, pelo qual ansiamos, nem que seja à nossa escala, no âmbito das nossas vidas. Porque a evolução não pára, nem cede aos desejos pequeninos dos humanos, é de longe mais sensato alinhar com os planos que a Vida tem para nós. São eles que nos conduzem ao paraíso, eles foram traçados pela pura Inteligência Divina.

 

Share Button

Lua Nova de Virgem, Eclipse solar, 13 de Setembro

Eclipse

 

Lua Nova em Virgem, eclipse solar, 13 de Setembro, 7.40 h

Um eclipse solar acontece quando a Lua se coloca entre o Sol e a Terra, ocultando parcial ou totalmente a luz do sol. Em astrologia, há uma simbologia associada, como não podia deixar de ser. No passado os eclipses eram temidos, havendo a crença generalizada que profetizavam catástrofes. Actualmente, e graças ao trabalho de estudo e observação durante vários anos, feito por muitos astrólogos, sabe-se que aos eclipses estão associadas mudanças necessárias à natural evolução de cada indivíduo, e que naturalmente acabarão por causar impacto à humanidade como um todo. Num mapa natal individual, a área de vida onde o eclipse está assinalado, mostra onde as mudanças decorrerão.

Se por um lado podemos esperar alterações significativas em determinadas áreas de vida, por outro, os eclipses solares indicam o tipo de energia que deveremos expressar, como contributo para construirmos uma humanidade mais equilibrada, e por isso mais feliz, mais abundante e mais criativa. E isso começa em nós mesmos.

Em Virgem, é-nos pedido que usemos da nossa capacidade de análise, de discernimento e de estudo, de trabalho metódico, de remediar o que está mal, de ajuda aos outros, de cura. Oposto à Lua Nova está Quíron em Peixes. Este aspecto indica que o que é proposto em Virgem, deverá ser feito mas com consciência de que somos seres com dimensões para lá das físicas. Quíron relaciona-se com uma ferida emocional profunda gravada no nosso inconsciente. Em Peixes, essa ferida refere-se à ilusão da separação que percepcionamos entre o eu e o outro, entre a Terra e o Céu; na Terra estão as dores, os trabalhos, as provações, a luta pela sobrevivência. No Céu as recompensas. Curar esta ferida é começar por perceber que, não estamos nunca separados de nada nem de ninguém, somos parte de uma vasta consciência, que se manifesta em parte no mundo físico. Na Terra podemos construir o Céu. Podemos aprender como o fazer e com a dedicação de Virgem colocar as mãos na massa e fazê-lo.

Curar remete-nos para a ideia da necessidade de corrigir algo que está errado. Plutão que está em Capricórnio relaciona-se igualmente com esta ideia, porque a função de Plutão é transformar o que deixou de ser funcional, e Capricórnio simboliza todas as estruturas que servem de suporte à nossa existência na Terra. Plutão está em trígono com Júpiter em Virgem, sugerindo que crescer e caminhar para novas formas de vida, mais verdadeiras e éticas, se faz com trabalho e dedicação. Mesmo a mais humilde das tarefas pode ter o efeito de restruturar o que está mal, incorrecto, ultrapassado. A oposição de Júpiter a Neptuno em Peixes, mais uma vez relembra a necessidade de equilibrar a realidade terrena com a realidade do espírito, do sonho, das pausas inspiradoras e retemperadoras da vitalidade, até porque só desta forma a vida decorre saudavelmente, outro tema caro a Virgem!

O símbolo Sabiano do grau onde acontece a Lua Nova, que dá simultaneamente lugar ao eclipse, é:

Uma equipa de basquetebol feminina

O símbolo sugere-me a necessidade de nos sentirmos como parte de uma equipa, uma grande equipa humana em que precisamos cooperar para ganhar. A equipa é feminina; o lado feminino da existência procura a cooperação, em contraponto ao lado masculino em que a acção competitiva é dominante. Há alturas em que é necessário trabalhar em conjunto, outras em que é necessário agir individualmente. Mas é fundamental a capacidade de distinguir e procurar constantemente o equilíbrio! Temos vidas a necessitar de cura, um planeta igualmente a necessitar de ser curado e é da desigualdade que se verifica desde há milénios entre as polaridades masculina e feminina que surgiu a ausência de harmonia, causadora de doença, escassez, desumanidade!

Nesta Lua Nova, neste eclipse, semeie intenções alinhadas com aquilo que o céu transmite, disponha-se a fluir com as mudanças necessárias. Elas sempre ocorrem, é quando lhes resistimos que criamos dificuldades e problemas. Fazemos parte dum Todo, aprender a funcionar nesta grande equipa é uma tarefa compensadora em que todos temos a ganhar.

Tem lugar reservado, adira…  se é que ainda não o fez!

 

 

Informação sobre consultas aqui

Share Button