Lua Cheia de Aquário, 31 de Julho de 2015

Lua cheia

 

31 de Julho, 11.40, Lua Cheia em Aquário

 

Nesta Lua Cheia temos o Sol, significador da vontade, do propósito, a irradiar a partir de Leão, signo de que é regente, e por isso o seu brilho é ainda mais resplandecente! Irradiação, é assim uma palavra, que descreve bem o tipo de energia em causa; irradiar é emitir de dentro para fora. Uma outra palavra associada a Leão é criatividade. O que é a criatividade senão a irradiação daquilo que criamos dentro de nós? É possível numa primeira abordagem, associarmos a capacidade criativa a áreas específicas como a música, a escrita, a pintura, o artesanato, a culinária. Nem todos  dominamos alguma técnica ligada à arte, mas a verdade, e raramente nos damos conta disso, é que há algo que todos criamos … a nossa própria vida!

Em Leão, para além do Sol, está Júpiter cuja função está ligada à expansão, ao crescimento. Júpiter entrou em Leão em 2014 a 17 de Julho, isto é, há mais de 1 ano que todos entrámos num período de tempo de criação, ou recriação da nossa própria vida, de uma forma abrangente. Um grande número de pessoas mudou de rumo, ou viu grandes transformações serem efectivadas, e aqueles que aparentemente não o fizeram provavelmente deram passos importantes nesse sentido, mesmo sem grande consciência de que o fizeram. Há que lembrar que um insucesso, pode simplesmente ser o sinal de alguma coisa de novo! Júpiter seguirá para Virgem em breve, a 12 de Agosto, mas nem por isso a nossa força criativa está a abrandar. Depois da expansão criativa do último ano, continuamos o processo de criação, desta vez no plano intelectual e da comunicação, uma vez que Mercúrio também entrou na “dança” desde 24 de Julho, logo seguido pelo Sol, quando os dois entraram em Leão. Mais…. Vénus também por aqui andou recentemente enquanto não transitou para Virgem. Novos valores, novo senso de auto-estima, novas formas de nos relacionarmos fazem parte agora da nossa mais recente Obra, cuja versão inicial dá os primeiros sinais de vida.

Oposto a Leão está Aquário, signo onde se encontra a Lua. Ela recebe o brilho do Sol, ilumina-se com o que de novo foi criado e reflecte impessoalmente de forma igualitária por todos. Em Leão cria-se com a nossa matéria-prima pessoal, os nossos valores, o que sabemos e aprendemos, o que sentimos. No entanto não somos seres isolados, vivemos em grupos, em famílias, em comunidades, pertencemos a uma sociedade. Leão gosta de reconhecimento, afinal criar sim, mas para ser partilhado, e Leão é também generosidade. É por isso importante que o que está criado de fresco, sirva todos de igual forma. Mais do que nunca, isto deve ser colocado em prática, pois em plena transição para a Era de Aquário, só o que tem em conta o bem-estar de todos, e do Todo, poderá vingar.

Júpiter, o primeiro a dar o pontapé de saída desta fase de expansão criativa, vê-se desde há algum tempo a braços com uma quadratura a Saturno em Escorpião; começou a aproximar-se em finais de Junho e verá o culminar com o ponto exacto da quadratura a 3 de Agosto, altura em que Saturno já estará no movimento directo seguindo definitivamente para fora de Escorpião e entrando de vez em Sagitário. Como interpretar esta quadratura mesmo no final do trânsito de Júpiter por Leão, com Saturno no final também da sua estadia em Escorpião? Bom, o que temos andado a criar servirá para expandir o conhecimento que temos, aquilo que conhecemos; com Júpiter envolvido na criação, o impulso é procurar a verdade noutras paragens, sejam elas físicas, mentais ou espirituais. É uma aventura para a qual precisamos ir bem preparados, os planos da viagem devem estar responsavelmente estruturados e tudo organizado; por outro lado, levar peso excessivo é contraproducente, não faz sentido e atrapalhará seguramente. Foi esta a função de Saturno, sem tirar nem pôr! A passagem por Escorpião efectuou a purificação do inconsciente, porque é dele que brota a matéria-prima de qualquer criação, e por outro lado, a quadratura mais não é, do que o conjunto dos últimos preparativos, a verificação de que tudo está perfeitamente preparado para o próximo passo. No momento da Lua Cheia esta última verificação está perto da conclusão!

Cada um de nós recriando a sua própria vida, fá-lo interrelacionando-se com outros que por sua vez estão sujeitos ao mesmo processo. Em última instância todos estamos fazendo a nossa parte para uma recriação da vida terrena. O Universo é holográfico, as partes são semelhantes ao Todo, e o que temos vivido nas nossas vidas pessoais, vive-se noutra escala mais universal de forma semelhante.

Olhando os Símbolos Sabianos envolvidos, começo pelo do Sol

“Um activista comunista espalha os seus ideais revolucionários”

Lembrando que a origem destes símbolos remonta ao início do século XX nos Estados Unidos, é necessário perceber que as ideologias de esquerda política eram vistas como revolucionárias e algo estranho que ameaçava o sistema. De notar que a Lua está em Aquário, e que um dos regentes é Urano. Curiosamente Urano foi descoberto em 1781 e pouco tempo depois dá-se a Revolução Francesa, quer apesar de todos os excessos e erros, ainda assim tinha como lema Liberdade, Fraternidade e Igualdade, exactamente o que pode definir Aquário!

Tal como naquela altura alguns grupos da população sentiam a necessidade de criação de uma nova forma de sociedade, também nós actualmente sentimos que as estruturas em que assentam as nossas vidas e a sociedade de uma forma geral não servem mais. E tal como naquela altura, ambicionamos um novo mundo em que o bem-estar seja a regra para todos! Quem partilha desta ambição, coloca em causa o sistema, pode ser visto como revolucionário e faz o que pode para espalhar aquilo em que acredita, tal como o activista do símbolo. Mas o futuro é ainda uma miragem, é ainda apenas e só uma imagem visionária, inanimada. Vamos ver o símbolo da Lua aquariana…

“Uma exposição de figuras de cera vestidas com belas roupagens”

Ora cá está! Estamos numa fase em que visualizamos o desejável e desta forma impregnamos a nossa consciência com o que ainda não é, mas pode vir a ser.

“Deus criou-nos à sua imagem e semelhança”… Quem nunca ouviu isto? Fica desde já esclarecido que não estou, nem nunca estive ligada a qualquer tipo de religião, mas reconheço actualmente, que na base de todas elas existe uma base válida e que transmite algumas verdades. Aquela frase é uma dessas mensagens. Se Ele é o Criador, e nós a Ele somos semelhantes, então somos igualmente Criadores, e em Leão mostramos do que somos capazes! Que temos poder e coragem para dar vida às figuras de cera que nos servem de inspiração, é o que esta Lua Cheia me sussurra.

O Criador que há em mim saúda o Criador que há em ti!

Namastê!

 

 

 

 

Share Button

Lua Nova de Caranguejo

Grande mãe

 

Lua Nova de Caranguejo no grau 23°13’, 16 de Julho, 2.20 h

A primeira coisa que imediatamente sobressai é a grande ênfase colocada em Caranguejo, com o Sol, a Lua, Marte e Mercúrio, os quatro neste signo. Vale a pena por isso, começar com a simbologia relacionada. Regido pela Lua, Caranguejo representa as emoções, a forma como nos percepcionamos, as raízes familiares, o senso de segurança, o cuidar, a mãe. Este ciclo começa portanto sob uma forte componente emocional, não só pela concentração de energias em Caranguejo mas igualmente porque temos Saturno em Escorpião e Neptuno em Peixes, todos eles signos do elemento água, todos ligados ao patamar emocional. Com excepção de Neptuno, Saturno e Plutão todos os restantes planetas estão sob a influência da Lua, que estando no signo da qual é regente se encontra posicionada de forma poderosa. Sintetizando, temos uma configuração astrológica com muita emoção em que a Lua assume o papel da Grande Mãe.

Se a Lua é a mãe, Saturno é o pai. Tradicionalmente a mãe cuidava, mimava e desculpava mais facilmente, o pai impunha respeito, limites e responsabilidades mais frequentemente. Estas são imagens estereotipadas, que ainda assim ajudam a entender uma parte do que se passa. Saturno em Escorpião pode ser comparado ao pai que verifica o que a criança atafulhou no quarto das brincadeiras; analisando meticulosamente com paciência cantos e recantos, encontra todas a espécie de objectos; brinquedos partidos, estragados, outros demasiado infantis, livros rasgados, e mais alguma tralha que apenas ocupa lugar e não tem uso! Tudo amontoado preparado para ir fora! Mas a criança, apegada a tudo aquilo pode ficar tensa, aborrece-se, talvez chore. Ela que queria estar alegremente a viver a sua vida de criança, agora que as férias chegaram, entregando-se ao prazer do tempo livre, inventando aventuras sem fim (Vénus e Júpiter em Leão…. Leão sendo lazer, alegria e crianças….) tem que se confrontar com a mania da organização e responsabilidade do pai (Vénus e Júpiter em Leão fazem quadratura a Saturno)! A ajuda sensível da mãe, acalmando e mostrando que é uma limpeza necessária, faz toda a diferença e suaviza o episódio!

Caranguejo é também a forma como nos auto percepcionamos. Dependendo desta nossa percepção subjectiva, e da natureza do que está a ser revelado por Saturno, dependendo também de tudo o que faz parte da nossa vida consciente e inconsciente, assim serão as nossas emoções. A qualidade destas determina a qualidade da realidade que criamos, que experimentamos.

Mas o que sentimos, e os pensamentos que se geram em consequência, estão limitados por tantos condicionamentos passados, nem sempre de acordo com o que desejamos! Quantas vezes queremos largar um pensamento ou um sentimento recorrente, que nos causa tristeza, desânimo, raiva ou frustração e a dificuldade em fazer valer a vontade é sistematicamente contrariada! Oposto aos quatro planetas em Caranguejo está Plutão retrógrado em Capricórnio. Uma oposição sinaliza uma chamada de atenção para a necessidade de integrar, unificar as duas energias. Se Caranguejo é como nos vemos, se é o receptáculo das nossas emoções e se tudo isto precisa de actualização então vamos usar a capacidade de metamorfose de Plutão que em Capricórnio tem como função precisamente transformar o que é necessário.

O Símbolo Sabiano referente ao grau da conjunção do Sol e da Lua é:

Uma mulher e dois homens náufragos numa pequena ilha dos mares do sul

Dane Rudhyar continua: A mulher e os dois homens representam o aspecto triplo da personalidade humana, a vida emocional (a mulher) está enfrentando a possibilidade, se não a inevitabilidade, de se relacionar tanto com o espiritual como com o mental. Este confronto ocorre em uma pequena ilha dos Mares do Sul, e “sul” sempre se refere simbolicamente aos impulsos fortes e apaixonados da natureza humana. De alguma forma a consciência tríplice tem que desenvolver uma forma harmoniosa e bem integrada de vida.

Os impulsos fortes de que fala o símbolo lembram-me Marte, o plano mental relaciono com Mercúrio, e os dois fazem quadratura a Urano. Na situação descrita, temos uma pequena comunidade onde é necessário desenvolver uma nova visão de estrutura social, que garanta a harmonia e a sobrevivência dos três personagens envolvidos, sendo isto a tarefa de Urano, regente de Aquário, signo da procura do bem-estar comunitário. São de prever escaramuças, mas a tensão é passível de ser acalmada pela supremacia da Lua no seu próprio reino! Tal como a pequena comunidade de náufragos, toda a humanidade está passando pela mesma inevitabilidade de integração, pela mesma experiência, procurando novas formas de fazer face aos desafios, sentindo cada vez mais que há que alinhar emoções, mente e espírito.

Neptuno em Peixes, símbolo do plano espiritual, está em sextil a Plutão; as transformações efectuadas podem ser levadas a bom termo e em resposta à necessidade de tornar Uno o plano emocional, mental e espiritual. Mercúrio, Marte e Saturno fazem trígono a Quíron, ele que tem como função curar a “ferida” ligada à crença da separação que sentimos em relação ao Todo, de que afinal fazemos parte, e de onde podemos retirar soluções e curas para todos os problemas!

Buda terá dito: “A lei da mente é implacável. O que você pensa, você cria; O que você sente, você atrai; O que você acredita, torna-se realidade”. Está aqui espelhado a importância da integração dos três planos de que fala o Símbolo desta Lua Nova. O cuidado atento da Grande Mãe está presente em mais este novo ciclo lunar. Está disponível para quem o quiser aceitar. Cuidando de nós mesmos, do que pensamos e do que sentimos, aceitando as transformações que nos conduzem a uma existência de bem-estar pleno, criamos a nossa realidade de sonho! E quando isto acontece, tudo à nossa volta vai seguindo o mesmo caminho.

Em mais um início de ciclo lunar, temos a oportunidade de lançar sementes, intenções em sintonia com o que é proposto, e preparar a colheita.

Share Button